SER É O BASTANTE

postado em: Artigos | 0

Nos últimos dias, em virtude do processo eleitoral vivido no nosso país, presenciamos a comunidade evangélica se digladiando na tentativa de “eleger” um candidato que fosse um representante dos valores cristãos. Foi muito comum, principalmente nas redes sociais e também no WhatsApp, a frase “se você é cristão não pode votar em…” ou “se você é cristão deve votar em…”. Bom, o fato é que esse campo de batalha revelou a ausência de valores a respeito do Reino como a mansidão, o domínio próprio, o perdão, a misericórdia e porque não dizer, o amor ao próximo.

No sermão da montanha encontramos Jesus ensinando seus discípulos sobre a essência da identidade cristã, sobre o que de fato importa para a vida daqueles que se dizem seguidores de Jesus. O Pr. Carlos Queiroz, em seu livro Ser é o Bastante, escreve: “O estilo de vida do discípulo deve romper com a religião e com a futilidade da não-religião”. Isso quer dizer que de fato não podemos adotar um padrão de vida mundano, negociando os valores do evangelho, mas também não devemos nos apoiar em uma vida religiosa e mecânica que mais faz mal do que bem.

Que possamos como discípulos de Jesus cumprir o papel proposto por Ele mesmo a nós no sermão da montanha, que é ser sal da terra e luz do mundo (Mt. 5.13-14). Que, como sal, possamos proporcionar uma vida saborosa e preservar os valores do Reino de Deus e que, como luz, possamos apontar o caminho para aqueles que carecem de direção. “Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus”. Mt. 5.16

Depois de tantos desafetos, que possamos ser caminho para a paz, para o perdão, para a restauração e para o amor fraternal, pois essa é a política do Reino de Deus.
Sem. Felipe Kido