SEGUINDO JESUS DE PERTO

postado em: Artigos | 0

Decidi comprar um cachorrinho. Por insistência da minha esposa, apesar de ser muito alérgico a cachorros, compramos um buldogue francês! Que coisa bonitinha, fofinha e que inspira tanto carinho! Filhotes nos cativam o coração porque nós simpatizamos com seu jeito engraçado e desajeitado de andar, sua necessidade de cuidado, com a oportunidade de ensinar tudo quanto ele precisa para ser um cãozinho feliz. Todavia, uns meses depois, o Torresmo… é! Esse é seu nome, começou a comer todos os móveis de casa. Mas ele já era nosso querido Torresminho, e apesar da nossa insistência, ele não parava de comer
os móveis e nos incomodar. Entretanto depois de brigar com o torresmo, ele corria para dar lambidas nos donos que voltavam a se afeiçoar pelo pequeno torresmo.

Muitas vezes os discípulos de Jesus erram! Os discípulos em João 6 se queixam com Jesus a respeito da sua palavra dura. Em seus corações eles se queixavam a respeito das exigências de Jesus, no tocante à sua crença em Jesus como o Messias de Deus, o Salvador, aqueles em que eles deveriam confiar toda sua vida, seu coração e rever suas ações.

Muitos dos seguidores de Jesus, após palavras duras deixaram de segui-lo, pois não estavam dispostos a mudar aquilo que acreditavam, pensavam e a forma como agiam. Ao perceber que muitos o deixavam: “Jesus perguntou aos Doze: “Vocês também não querem ir?”. Simão Pedro lhe respondeu: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna. Nós cremos e sabemos que és o Santo de Deus” (Jo 6.67s).

Aprendemos que a principal característica a respeito dos verdadeiros discípulos de Jesus, não é nunca errar, nunca ter comido um pedaço dos móveis. A principal característica é nunca desistir, nunca se  afastar do mestre. Ainda que erramos, não podemos nos afastar daquele que tem as palavras de vida eterna. Seguir Jesus de perto é a firme convicção de que na vida, quando percebemos nosso distanciamento do caminho de Jesus, devemos sempre voltar para aquele que tem palavras de vida eterna.

Pr. Rodrigo Dalla Costa