POWER RANGERS

postado em: Artigos | 0

Nós somos diferentes! Essa verdade está estampada em nossos rostos, na altura e formato do nosso corpo, na cor dos cabelos e olhos, na unicidade da íris e digital. Mas, dia após dia, a cultura e em nós mesmos, uma voz diz: Você precisa ser igual a todo mundo. Queremos ter o cabelo liso, os olhos azuis. Queremos que todos tenham o mesmo comportamento que o nosso e gostem do que gostamos.

Quando percebemos as diferenças, nos escandalizamos, agredimos, maltratamos… simplesmente por não ser igual a nós.

Quando era adolescente, meu irmão pintava o cabelo de laranja e fazia um penteado moicano. Em algum momento, nós, eu, meu irmão mais velho e meu primo decidimos fazer parte do grupo. Um de cabelo vermelho, um verde, um branco e o laranja… Acho que nós éramos os Power Rangers…

Nós, continuávamos na igreja, continuávamos com os mesmos princípios de Jesus, todos os mesmos comportamentos. Mas, as pessoas na rua desviavam do nosso caminho, os seguranças no shopping center nos vigiavam e muitas outras situações.

É, realmente, era muito estranho, mas nada demais. Talvez alguém pudesse imaginar todo tipo de coisa, mas era somente uma forma de expressar nossa identidade e nada mais.

Facilmente na nossa vida cotidiana, nós julgamos pela capa do livro uma pessoa, só porque ela não é exatamente como nós ou está entre pessoas de má fama. As pessoas criticavam Jesus dizendo: “Este homem recebe pecadores e come com eles” (Lc 15.2).

Jesus foi criticado pois, para os religiosos, parecia que ele não tinha o melhor comportamento ao comer com pecadores. Mas simplesmente ele estava indo em direção daqueles que precisavam de médico: publicanos, prostitutas, pecadores…

Talvez, nós devêssemos abaixar um pouco a guarda e amar o diferente, de forma tão profunda, que talvez ele seja tratado pelo médico que continua a tratar das nossas enfermidades!

Pr. Rodrigo Bezerra Dalla Costa