PAI NOSSO

postado em: Artigos | 0

O Pai Nosso é de longe a oração mais conhecida e mencionada ao longo da história da humanidade. Objeto de estudos dos teólogos é ao mesmo tempo texto rabiscado nas celas de prisão para os que sonham e oram pela liberdade.

Em atenção ao pedido formulado pelos discípulos, Jesus passou a ensiná-los como orar. E, logo de início estabeleceu um novo paradigma de relacionamento e de comunhão com Deus, ao chamá-lo de Pai. Para Jesus, o Pai celestial, não é apenas o objeto da nossa oração, mas o Supremo Deus a quem reverente e humildemente devemos nos dirigir. O Pai celestial é alguém com quem podemos ter intimidade e amizade respeitosas para nos sentirmos recebidos e aceitos como filhos. Relacionamento este baseado no amor incondicional do Pai e que encontra legítima reciprocidade nos filhos. Pai presente em todas as horas e circunstâncias e que ensina e conduz, cuida e protege, agracia e alimenta.

Por outro lado, o Pai não é apenas meu, mas nosso. Pensando assim, as bênçãos suplicadas não visam contemplar as minhas necessidades, mas também as do outro. Ou seja, estas ultrapassam os limites pessoais, atingindo a família, a comunidade cristã, a cidade, a nação e o mundo. No livro “Ser é o Bastante”, o Pr.Carlos Queiroz, traz excelente contribuição a esse respeito, quando diz: “A primeira pessoa do plural usada na oração de Jesus evita que a oração do Pai Nosso caia nas práticas espiritualistas, onde a pessoa é estimulada a sair de si para o além, ou nas práticas humanistas, na busca de si para si mesmo, provocando um excessivo isolamento da vida comunitária… mas é a oração que brota frutos no outro lado da porta e janelas do quarto. O “nosso” quebra a tentação da oração privada-individualista”.

Que privilégio nos dirigirmos a Deus e chamá-lo de Pai. Que bênção sabermos que essa paternidade não é teórica ou formal, mas se concretiza na intimidade, no ensino e no cuidado. Que maravilha podermos orar com a visão comunitária, e assim nos constituirmos em canais de bênçãos para outras pessoas.

Pr Valdemar de Souza