A CONTINUIDADE DA REFORMA PROTESTANTE

postado em: Artigos | 0

No dia 31 de outubro celebramos 501 anos da Reforma Protestante. Com a ousadia e coragem do monge Martinho Lutero, hoje somos fruto do movimento da Fé Reformada. A motivação inicial de Lutero era debater alguns temas doutrinários praticados pela Igreja Católica Romana. A proposta do reformador era voltar à fé genuína, verdadeira e centrada em Cristo. A primeira fase da Reforma iniciada no século XVI tem como ponto de partida as mudanças teológicas, mudanças de princípios e conceitos.

Os princípios que fundamentam a Reforma Protestante, são eles:
1) SOMENTE CRISTO;
2) SOMENTE A FÉ;
3) SOMENTE A ESCRITURA;
4) SOMENTE A GRAÇA;
5) SOMENTE A DEUS A GLÓRIA.

Se a primeira fase da Reforma teve seu principal ponto de partida a base teológica, já a sua continuidade tem como princípio a base eclesiológica, ou seja, a forma de viver igreja.

A célula foi o movimento metodista iniciado no século XVIII com John Wesley, na Inglaterra, em resgatar a prática da igreja do Novo Testamento de se relacionar e praticar a fé de casa em casa, conforme o texto bíblico de Atos 2.42-47. No século XX foi sendo solidificada na Coréia do Sul com o Pr. Paul Yonggi Cho.

No Brasil, o movimento da continuidade da Reforma, começou a ser divulgado pelo Pr. Robert M. Lay, com os materiais traduzidos do Pr. Ralph Neighbour, EUA. O Pr. Ralph se apropriou da nomenclatura “célula”, fazendo alusão as células do corpo humano. Somos o conjunto de milhões de células que crescem e se multiplicam. Seguindo o mesmo princípio das células do corpo humano, ele aplicou a dinâmica viva das células para a igreja nos dias de hoje, denominando de Igrejas em Células. E hoje, no século XXI, diversas igrejas, denominações ao redor do mundo e nós, sustentamos o movimento da continuidade da Reforma Protestante na visão de Igreja em Células, Igreja nas casas, Grupos pequenos e tantos outros nomes, mas, independentemente do nome, é o princípio da igreja viva nas casas.

A visão que aponta o norte das células é que “CADA CASA UMA IGREJA, CADA MEMBRO UM MINISTRO”.

Pr. Weslei da Cunha Carvalho