A COMUNHÃO CRISTÃ

postado em: Artigos | 0

O que torna uma igreja saudável? O seu número de membros? Seus bens e recursos financeiros? O nível intelectual dos seus membros? A sua estrutura organizacional e capacidade administrativa? Pessoas com dons, servindo em ministérios? As suas parcerias missionárias e projetos sociais?

Tudo o que apresentamos até aqui pode compor, mas uma igreja se torna saudável, quando ela vive a bendita comunhão cristã. Esta é marca da Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Jesus disse claramente: “Eu e o Pai somos um”. Foi a base de sustentação e desenvolvimento da igreja cristã primitiva. A comunhão cristã expressa amor e verdade nos relacionamentos interpessoais, gerando serviço, transparência de caráter, cuidado
e assim por diante.

Todavia, a comunhão cristã enfrenta diversos adversários, como a agenda pessoal, a impessoalidade e o individualismo. Mas, a tecnologia, que tanto facilita a nossa vida, infelizmente, produz um efeito danoso, quando pensamos em comunhão cristã. Estamos em contato com muitas pessoas, mas não mais nos tocamos; falamos à mente, mas não ao coração; temos acesso a tudo, mas não estamos presente. Há quem tem trocado o ambiente da igreja, com a bendita adoração comunitária, pelo culto transmitido através da internet.

O afastamento ou o esfriamento da comunhão com os irmãos pode estar relacionado a um comprometedor distanciamento de Deus. Porque um está ligado ao outro. A exortação bíblica é clara: “Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros…” (Hb. 10:25). Concordo com um amigo presbítero, que me disse: pastor, um cristão se afasta da igreja, quando ele começa.

Por outro lado, os irmãos e irmãs que são assíduos nos cultos e ainda integram as células, com certeza vivem a abençoada comunhão cristã. Descubra quão maravilhoso é compartilhar a vida com os seus irmãos de fé, amar e ser amado, cuidar e ser cuidado. Pense que este pode ser um bom treinamento aqui para a comunhão que desfrutaremos na eternidade.

Pr. Valdemar de Souza